Destaques

PF: Michel Temer recebeu R$ 31 milhões por prática criminosa

12/09/2017

Há indícios de que o presidente Michel Temer cometeu crimes, afirma a Polícia Federal. O órgão concluiu nesta 2ª feira (11.set.2017) inquérito sobre caciques peemedebistas.

Segundo os jornais Folha de S.Paulo e O Estado de S. Paulo, o documento final elaborado pelos agentes fala em suposto recebimento de R$ 31,5 milhões pelo presidente. As afirmações foram encaminhadas ao STF (Supremo Tribunal Federal).

Além de Temer, os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral da Presidência) e os ex-deputados Eduardo Cunha (RJ), Geddel Vieira Lima (BA) e Henrique Eduardo Alves (RN) também são citados. Os 3 últimos estão presos. O caso ficou conhecido como “quadrilhão do PMDB”.

Segundo a PF, os políticos se organizaram para obter as chamadas vantagens indevidas na administração pública. São atribuídos ao grupo os crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro fraude em licitação e evasão de divisas.

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, deverá usar as afirmações da Polícia Federal em sua provável 2ª denúncia contra o presidente.

Alguns dos citados no caso já se manifestaram. O Poder360 reproduz suas respostas:

MICHEL TEMER
“Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República

O presidente Michel Temer não participou e nem participa de nenhuma quadrilha, como foi publicado pela imprensa, deste 11 de setembro. O Presidente tampouco fez parte de qualquer “estrutura com o objetivo de obter, direta ou indiretamente, vantagens indevidas em órgãos da administração pública”. O Presidente Temer lamenta que insinuações descabidas, com intuito de tentar denegrir a honra e a imagem pública, sejam vazadas à imprensa antes da devida apreciação pela justiça”.

MOREIRA FRANCO
“Com relação a citação do meu nome em investigação da Polícia Federal, esclareço:
Jamais participei de qualquer grupo para a prática do ilícito. Repudio a suspeita. Responderei de forma conclusiva quando tiver acesso ao relatório do inquérito. Lamento que tenha que falar sobre o que ainda não conheço. Isto não é democrático.

Ministro Moreira Franco
Brasília, 11 Set 2017″.

ELISEU PADILHA
“O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, informa que só irá se pronunciar quando e se houver acusação formal contra ele que mereça resposta”.

Fonte: Poder 360