NOTÍCIAS

Governo de SP corta r$ 113 milhões em ações de redução da pobreza

Leia mais

'Bolsa Família' da Itália entra em vigor em 1º de dezembro

Leia mais

TODAS AS NOTÍCIAS

VÍDEOS

TODOS OS VÍDEOS

PERFIL

Valmir Prascidelli

É deputado federal pelo PT-SP, eleito para a 55ª legislatura (2015/2018).

É membro da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania - CCJC, da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público - CTASP e da Comissão Especial para Análise, Estudo e Formulação de proposições relacionadas á Reforma Política. Foi integrante do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar e da CPI da Petrobras. É integrante do Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara dos Deputados - CEDES e vice-presidente na região Sudeste da Frente Parlamentar em defesa da cadeia produtiva de reciclagem e dos catadores.

Bacharel em Direito, faz parte de uma nova geração de lideranças do PT.

Eleito em 2012 vice-prefeito de Osasco, a 4ª cidade com maior PIB (Produto Interno Bruto) do Estado e a 11ª do país, ocupou o cargo até sua posse como deputado.
Foi vereador em Osasco (2009/2012), onde foi líder do governo, presidente da Comissão de Economia e Finanças e membro da comissão de Constituição e Justiça. Foi Secretário de Esportes em Osasco (2007/2008) e de Habitação no município de Embu das Artes (2001/2002). Também foi Presidente da CEAGESP - Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (2003/2005), a maior central de abastecimento da América Latina e a terceira maior do mundo.

Iniciou sua participação política na juventude com intensa militância, como estudante e metalúrgico, nos movimentos popular e sindical, além de ter participado das fundações do PT e da CUT.

Foi da direção estadual e da coordenação do Departamento dos Metalúrgicos da CUT-SP.

No PT, foi presidente do Diretório Municipal de Osasco e Coordenador da Macrorregião Osasco.


Logo DOWNLOAD DA MARCA E FOTO

BIOGRAFIA

Linha do Tempo

IMAGENS DO MANDATO

Acompanhe as fotos históricas

DESTAQUE

Pesquisa Datafolha: Lula será o principal protagonista das eleições de 2018

01/02/2018

O jornal Folha de S. Paulo publicou nesta quarta, 31, mais uma pesquisa quantitativa Datafolha sobre o atual cenário para disputa presidencial nas eleições de 2018. Diante da enxurrada de números e previsões, algumas observações sobre os dados divulgados pela empresa são necessárias.

A primeira é a de que a pesquisa, obviamente, retrata o momento atual da política brasileira, portanto, não significa uma antecipação do resultado eleitoral, este só iremos vislumbrar no dia 7 de outubro. No entanto, considerando a linha histórica da pesquisa, sempre é possível prever o que venha acontecer nas eleições.

A segunda, lendo o título da matéria publicada pelo jornal "Sem Lula, Bolsonaro lidera e disputa por vaga no segundo turno se acirra", mais uma vez somos levados a uma análise distorcida dos dados. Com a manchete, ficou explicito a intenção do “jornalão” de antecipar uma improvável retirada da candidatura de Lula. O Tribunal Superior Eleitoral ainda terá que se manifestar sobre a questão. O título correto deveria ser “Apesar dos ataques e da condenação, Lula lidera em todos os dois turnos das eleições".

É válido ainda destacar que o levantamento do Datafolha foi realizado entre 26 e 30 de janeiro, cinco dias após o fatídico julgamento do TRF-4. Período que o presidente Lula sofreu uma intensa exposição negativa em toda grande mídia e nas redes sociais. Apesar disso, o desejo popular de votar em Lula se mostrou inabalável. O presidente mantém a liderança da pesquisa para o pleito com 34% a 37% das intenções de votos dos brasileiros, e num segundo turno, vencendo todos os adversários com ampla vantagem.

Nenhum dos outros concorrentes cresceu. Ao contrário, Jair Bolsonaro, que tem polarizado o debate na redes sociais com Lula, reduziu a intenção de voto (após o escrutínio de seus bens realizado pela imprensa, o que mostra claramente sua fragilidade), com 16% e 17%.

Geraldo Alckmin continua patinando. O pré-candidato tucano não tem discurso, não tem projeto e não tem mostrado condições e credibilidade para ganhar setores do campo político de centro-direita, o que poderia potencializar sua candidatura. Não passa dos 8% no melhor cenário para ele.

Marina Silva aparece no melhor cenário para sua pré-candidatura, em terceira colocação com no máximo 10% das intenções de voto. No caso de Marina, é importante salientar, que ela submerge ao fim do processo eleitoral, some durante quatro anos, e emerge no espectro político na véspera do período eleitoral se intitulando “a paladina da justiça”, mas, sem apresentar efetivamente um projeto que convença o país, sem demostrar capacidade e/ou condição para liderar e assumir um cargo como o da presidência do Brasil.

A novidade da pesquisa é a inclusão do nome de Luciano Huck, com 8% de votos. O apresentador da Rede Globo tem um ampla exposição midiática, mais intensa que os outros. Se considera um “outsider” e diz não fazer parte da política tradicional, o que não lhe recai a negatividade que existe sobre o demais candidatos. Huck é um amigo de grande figuras da política tradicional, como Aécio Neves, e do empresariado, entre outros. Conta com o apoio e suporte da Rede Globo e o com auxilio de outros veículos de comunicação. Portanto, é natural que apareça bem situado na pesquisa.

Outra observação importante é que o resultado da pesquisa frustra a tentativa da imprensa de retirar o nome do presidente Lula da disputa. Aliás, os números revelam algo importante: os índices de brancos e abstenções ampliam consideravelmente quando Lula é excluído do páreo, alcançando o patamar de 31% (o número sobe para 36% ao somar os indecisos). E fica ainda mais explícito no segundo turno, como expuseram os diretores do Datafolha em artigo publicado na própria Folha.

Outro dado revelador é sobre a rejeição do presidente Lula. Não evoluiu e oscilou dentro da margem de erro, na casa dos 40%, mesmo após a intensa exposição negativa do presidente.

No que diz respeito à transferência de votos, Lula mantém altíssimos índices: 45% na soma entre os que votariam com certeza e os que possivelmente votariam em um candidato indicado pelo presidente. Ou seja, Lula será, em qualquer circunstância e cenário, o principal protagonista das eleições de 2018.

Por último, precisamos considerar que a somatória de votos dos possíveis candidatos de esquerda aproxima-se, neste momento, aos 50%. Nesse sentido, há no eleitorado brasileiro a disposição em votar num projeto de inclusão social para o país. Um projeto que dê condição ao crescimento econômico com a preservação dos direitos sociais, com a manutenção e fortalecimento do Estado brasileiro sem se submeter aos interesses do capital internacional.

Diante do exposto, podemos chegar a algumas conclusões: 1) Lula manterá sua candidatura e será candidato; 2) os partidos e as lideranças de esquerda precisam rapidamente constituir um diálogo e construir um projeto comum de Estado brasileiro; 3) é preciso que o PT e os movimentos sociais comecem, de forma intensa e mais direta, a dialogar com a população; e 4) qualquer tentativa da elite de impedir o presidente Lula de ser candidato ampliará ainda mais a instabilidade política, social e econômica no país.

Sendo assim, o resultado da pesquisa renova a esperança que a democracia será preservada e que Lula será presidente.

Valmir Prascidelli

Mais destaques



Trabalho parlamentar

Papel do parlamentar

O deputado federal desempenha três funções primordiais para a consolidação da democracia: representar o povo brasileiro, fazer leis referentes a assuntos de interesse nacional e fiscalizar a aplicação dos recursos públicos.

saiba mais

Comissões

A Câmara Federal possui Comissões Parlamentares, Permanentes ou Temporárias, com funções legislativas e fiscalizadoras. Os membros das comissões também propõe debates e discussões com a participação da sociedade sobre todos os temas ou assuntos de seu interesse. O deputado federal Valmir Prascidelli é titular nas Comissões Permanentes CCJC e COETiCA e na comissão parlamentar CPIPETRO. Também é suplente na CTASP.

saiba mais

Proposições

São as propostas de emenda à Constituição, os projetos, a emenda, a indicação, o requerimento, o recurso, o parecer e a proposta de fiscalização e controle. Acompanha como está está o andamento das proposições de Valmir Prascidelli

saiba mais

FALE COM O DEPUTADO



Acesse nossas redes sociais:




Brasília: Praça dos Três Poderes . Câmara dos Deputados
Gabinete: 837 . Anexo: IV . Brasília/DF . CEP: 70160-900
Telefone: 61 3215-5837

Osasco: Escritório Político . Rua General Bittencourt, 170
Centro . Osasco/SP . CEP: 06016-040
Telefone: 11 3685-2164